sexta-feira, 26 de maio de 2017

Lava a Jato no programa Americano Sixty Minutes

Sixty Minutes sobre a operação lava a jato

( Veja o Vídeo no final )

A operação "Car Wash" do Brasil envolve bilhões de subornos, dezenas de políticos
A Operação Lavagem de Carros, um dos maiores casos de suborno já investigados, está sendo conduzida por um pequeno grupo de promotores de justiça idealistas e jovens e um juiz de cruzada

O procurador-chefe Deltan Dallagnol diz que a Operação Car Wash é muito maior do que a Watergate: mais de 200 pessoas foram acusadas por centenas de crimes.


A enorme investigação brasileira começou quando a polícia encontrou provas de que um ex-executivo de topo em uma companhia petrolífera controlada pelo governo, a Petrobras, aceitou um suborno.
O juiz Sergio Moro e os promotores estão dispostos a usar táticas controversas para combater o crime financeiro. Em 2014, Moro realizou 20 executivos de topo de 8 grandes empresas sem fiança por meses.


Deltan Dallagnol, promotor principal da Operação Car Wash. NOTÍCIAS DA CBS
Imagine se a investigação do Watergate levou não só à queda do presidente Nixon, mas também a alegações contra seu sucessor, mais o presidente da Câmara, o líder do Senado, um terço do gabinete e mais de 90 membros do Congresso . Isso dá uma idéia do que está acontecendo no Brasil agora. O mercado de ações do país mergulhou na semana passada depois de um relatório de que o presidente Michel Temer tinha sido pego na fita aprovando compensações ilegais, uma ofensa potencialmente impeachable. A última presidente do Brasil, Dilma Rousseff, foi demitida.

O país está passando por uma de suas piores recessões na história e uma crise de liderança causada em grande parte por uma investigação de corrupção maciça. É conhecido como Operação Car Wash. É um dos maiores casos de suborno já investigados e está sendo conduzido por um pequeno grupo de jovens promotores idealistas e um juiz de cruzada.

"Já cobramos mais de 200 pessoas por centenas de crimes, e a quantidade de subornos pagos chega a cerca de dois bilhões de dólares".

Em Curitiba, uma cidade distante das elites dominantes de Brasília e São Paulo, um pequeno grupo de promotores está trabalhando longas horas em quartos apertados na maior investigação que o Brasil já viu - a Operação Car Wash.


Um pequeno grupo de promotores trabalha na maior investigação que o Brasil já viu - a Operação Car Wash. NOTÍCIAS DA CBS

Anderson Cooper: Como a lavagem de carro se compara a Watergate?
Deltan Dallagnol: Car Wash é muito, muito maior.
Deltan Dallagnol é o promotor principal.
Anderson Cooper: Maior do que Watergate?
Deltan Dallagnol: Muito maior.
Deltan Dallagnol: Já cobramos mais de 200 pessoas por centenas de crimes. A quantidade de subornos pagos vai até cerca de dois bilhões de dólares.

A Operação Car Wash teve um papel na queda da primeira mulher presidente do Brasil, Dilma Rousseff. NOTÍCIAS DA CBS

Os promotores dizem que o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, foi o mentor do plano e acusaram-no de corrupção e lavagem de dinheiro. O presidente atual do país, Michel Temer, foi implicado e há agora chamadas para seu impeachment. O poderoso líder da câmara baixa foi condenado a 15 anos de prisão. Trinta e quatro senadores e 62 representantes estão sob investigação.

A Operação Car Wash também teve um papel na queda de uma presidente sentada, a primeira líder feminina do Brasil, Dilma Rousseff. Ela foi acusada em agosto por algumas violações técnicas das regras orçamentárias. Rouseff não foi acusada de corrupção, mas durante sete anos ela foi a presidente da empresa controlada pelo Estado no centro da investigação, e isso contribuiu para a raiva pública que levou à sua expulsão.

Entrevistamos Rousseff três semanas depois de ter sido acusada.


Anderson Cooper: Você já recebeu algum suborno?    

Dilma Rousseff: Não. E esse é o problema deles quando se trata de mim: eu nunca recebi nenhum suborno. Eu não sou cobrado com o recebimento de subornos, eu não tenho nenhuma conta bancária no exterior.

Anderson Cooper: Eu acho que para algumas pessoas, no entanto, é difícil acreditar que, como presidente, você não saberia que algo estava acontecendo.

Dilma Rousseff: Deixe-me dizer, eu não sabia.

Esta estação de serviço na capital do Brasil está por trás do motivo pelo qual a investigação foi nomeada "Operação Lavagem de Carro". NOTÍCIAS DA CBS
Tudo começou aqui - numa estação de serviço na capital do país - e é por isso que se chama Operação Lavagem de Carros, onde a polícia federal encontrou suas primeiras pistas há quatro anos - e a trilha que levou a esse homem: Paulo Roberto Costa, Ex-executivo da Petrobras, empresa estatal controlada. A Petrobras era a maior e mais importante empresa do Brasil, responsável pela exploração das vastas reservas de petróleo do país. A polícia encontrou provas de que Costa aceitou um suborno e, sob pressão dos investigadores, decidiu conversar, revelando que durante anos os altos executivos da Petrobras e os políticos governantes haviam roubado a empresa - e o país - cegos.


Anderson Cooper: Quando Paulo Roberto Costa deu testemunho em sua corte como era aquele momento?

Juiz Sérgio Moro: Ah, esse era o ponto de não retorno talvez.
Sergio Moro é o juiz em Curitiba que supervisiona a Operação Car Wash.
Anderson Cooper: O ponto de não retorno?
Juiz Sergio Moro: Sim, era como aquele filme, "Os Intocáveis".

O juiz Sergio Moro supervisiona a Operação Car Wash. NOTÍCIAS DA CBS
[Dos "Intocáveis"]


Sean Connery: Se você atravessar esta porta agora, você está entrando em um mundo de problemas e não há volta. Você entende?

Kevin Costner (como Elliot Ness): [armando espingarda] Sim, eu faço.

Anderson Cooper: Você assistiu "The Untouchables".

Juiz Sergio Moro: Sim, é um ótimo filme.

Como Elliott Ness em "The Untouchables", o juiz Moro se tornou algo de um herói popular. Os brasileiros tiveram de lidar com a corrupção por décadas, e quando o juiz Moro e os promotores começaram a revelar a extensão da corrupção, as pessoas saíram às ruas para mostrar seu apoio, muitas usando camisas e máscaras do juiz Moro. A investigação tornou-se tão popular há um adesivo que diz: "Eu apoio lava jato", que significa lavagem de carro em português.

A luta contra a corrupção tem sido muitas vezes uma batalha perdida no Brasil. O juiz Moro diz que uma razão pela qual a Operação Car Wash foi bem-sucedida é que ela usou a barganha de acordo com o estilo dos EUA para conseguir que alguns réus cooperem. O juiz Moro e os promotores também estão dispostos a usar táticas controversas para combater o crime financeiro.

Quando o ex-executivo da Petrobras Paulo Roberto Costa implicou outros em 2014, o juiz Moro os enviou para a prisão antes do julgamento.

Vinte executivos de oito grandes empresas foram mantidos sem fiança por meses.

Juiz Sergio Moro: Eu entendi que estávamos vivendo em circunstâncias excepcionais porque a corrupção era tão difundida. E você precisa fazer algo grande para pará-lo.

Paulo Galvão: Isso nunca aconteceu no Brasil.

O promotor Paulo Galvão disse-nos que as prisões foram um ponto de viragem.

Paulo Galvão: São pessoas que nunca tiveram medo da lei no Brasil. Este foi o momento em que essas pessoas começaram a ver que eles também estavam sendo alvo de Car Wash Operação.

Em breve os promotores estavam recebendo ofertas de executivos assustados e políticos dispostos a cooperar e devolver dinheiro para evitar fazer tempo. E as somas que tinham sido roubadas eram astronômicas: Costa devolveu US $ 23 milhões de dólares que tinha escondido em bancos suíços. Foi a maior recuperação da história do Brasil.

Ou seja, até que este ex-executivo da Petrobras, Pedro Barusco, se oferecesse a devolver muito mais.

Deltan Dallagnol: Ele disse que tinha dinheiro no exterior. E então alguém lhe perguntou: "Oh, quantos ... quanto dinheiro você tem no exterior?" E ele disse: "US $ 97 milhões e ..."

Anderson Cooper: Noventa e sete milhões de dólares?

Deltan Dallagnol: Sim, sim. Era uma figura muito alta, para que pudéssemos imaginar.

Em alguns casos, executivos da Petrobras lavaram seu dinheiro comprando obras de arte. A polícia confiscou tanta arte que montaram um espetáculo para o público neste museu em Curitiba. As pinturas podem diferir estilisticamente, mas muitos compartilham um tema comum: eles uma vez pendurado nas paredes de um executivo da Petrobras agora servindo tempo na prisão.

Se você está se perguntando como eles conseguiram tanto dinheiro de uma empresa petrolífera nacional sem que ninguém perceba, o que aconteceu com a construção da refinaria Comperj, 30 quilômetros a leste do Rio, é um bom exemplo. O projeto de vários bilhões de dólares deveria criar mais de 100 mil empregos. Mas hoje a refinaria fica inacabada - bilhões sobre orçamento, seu futuro em dúvida. As pessoas que se mudaram para o local de trabalho tinha de esperar em linhas de alimentos em vez disso. Ex-executivos da Petrobras agora admitem que permitiram que o custo de construção da refinaria fosse enormemente inflacionado por um cartel de empresas de construção. As empresas de construção pagaram então retrocessos aos executivos da Petrobras e aos políticos e partidos políticos que lhes deram seus empregos.

Anderson Cooper: Só para ficar claro, isso estava acontecendo em todos os contratos. Este não foi apenas a cada 10º contrato. Isso era sistemático?

Deltan Dallagnol: Foi a regra do jogo.

Carlos Lima: Foi a forma como a política no Brasil é financiada.

Anderson Cooper: Você acredita que este foi um esquema de políticos que basicamente vi esta empresa como uma forma de manter o poder?

Paulo Galvão: Isso é exatamente o que - a maneira como vemos. E, de fato, podemos ver que o mesmo esquema aconteceu em outras grandes empresas estatais no Brasil.

Em Eecember, os promotores fizeram um de seus maiores avanços ainda. A maior construtora brasileira, a Odebrecht, reconheceu seu papel no esquema de suborno e concordou em pagar bilhões de dólares em multas. A Odebrecht foi um membro-chave do cartel de empresas de construção que infiltraram secretamente o custo de Comperj e outros grandes projetos. Os executivos da empresa agora admitem que tinham uma unidade inteira que serviu como seu "departamento de suborno".

Como parte de um acordo feito com promotores, o CEO da empresa e outros 76 executivos presos prestaram testemunho contra os políticos que eles têm subornado há mais de uma década. A Odebrecht também admitiu pagar centenas de milhões de dólares para ganhar negócios em outros 12 países, incluindo Argentina, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Panamá, Guatemala e México. O Departamento de Justiça dos EUA chamou-o de "o maior caso de suborno estrangeiro da história".

Anderson Cooper: Você está ameaçando pessoas muito poderosas. Você já se sentiu em risco para a sua segurança?

Paulo Galvão: É um tipo de risco diferente. Não sentimos ameaças pessoais em termos de segurança. No entanto, estamos sempre enfrentando o risco de ser exposto de críticas às investigações, aos investigadores. Então eles estão sempre tentando dizer que estamos abusando.

O ex-presidente Lula está entre os que criticaram os promotores e o juiz Moro, acusando-os de violar os direitos civis dos acusados. Lula está considerando uma outra corrida para a presidência em 2018, e em sua primeira aparição na sala do juiz Moro há duas semanas.

Ele disse ao juiz Moro que as acusações contra ele eram politicamente motivadas - uma noção que o juiz rejeitou quando conversamos com ele em setembro.

Juiz Sergio Moro: Ninguém será julgado em tribunal por causa de sua opinião política. O ex-presidente Lula terá todas as oportunidades que nossa lei lhe dá para apresentar sua defesa.

O governo que substituiu Dilma Rousseff teve um começo trêmulo. Três ministros foram forçados a renunciar no primeiro mês. O ministro do planejamento foi apanhado na fita planejando minar a investigação da Lavagem de Carro. O ministro da Transparência foi apanhado dando conselhos sobre como evitar a transparência. Quanto ao ministro do Turismo, ele foi acusado de evasão fiscal e lavagem de dinheiro.

As coisas só foram downhill de lá. No mês passado, a Suprema Corte do Brasil autorizou novas investigações de quase 100 políticos, incluindo um terço do atual presidente do atual presidente, Michel Temer. E na semana passada, a Suprema Corte autorizou uma investigação do próprio presidente Temer e publicou fitas de áudio em que ele alegadamente aprovou pagamentos que foram projetados para comprar o silêncio de uma testemunha. O presidente Temer nega as alegações.

No Congresso, alguns legisladores sob investigação têm lutado para trás, tentando aprovar novas leis para se protegerem e conter o poder dos promotores e juízes, ameaçando o futuro da Operação Lavagem de Carro.

Anderson Cooper: Há muitos interesses poderosos que gostariam de ver tudo isso embora.

Juiz Sergio Moro: Sim. Mas é nossa responsabilidade não permitir que eles façam isso. Temos de enfrentar o problema. E encarando isso, acho que temos ... um país melhor.  


 Produzido por Andy Court e Sarah Fitzpatrick.
© 2017 CBS Interactive Inc. Todos os direitos reservados.

Anderson Cooper
Anderson Cooper, âncora do "Anderson Cooper 360" da CNN, contribuiu com 60 Minutos desde 2006. Sua excepcional reportagem sobre grandes eventos de notícias fez com que Cooper fosse considerado um dos mais populares jornalistas da televisão

VEJA TAMBÉM !!!!

- Peça de Teatro onde os atores exploram o ânus um dos outros
- Feministas da UFF costuram vagina em ritual Satânico e as fotos são enviadas ao Blog
- Para quem nunca viu uma mulher endemoniada, aí está..
- Jean Wyllys declara, Pedofilia Já !!
Menina do Master Cheff e a velha e boa Pedofilia
- Homossexualismo tem tratamento sim, afirma Psicóloga
- O que é ser um Conservador?
Um basta a Esquerda CorruPTa do Brasil !!!
Karl Marx, Satanista confesso
A verdadeira doutrina defendida por Karl Marx


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário